Pesquisar este blog

Tradutor

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Medo da liberdade...


Os lugares onde se esconder são numerosos, mas só há uma saída, embora as possibilidades de escapar outra vez sejam tantas quantos os lugares onde se esconder.

ESTA ENIGMÁTICA REFLEXÃO DE KAFKA me faz lembrar de um conto contemporâneo de autor desconhecido.Seu protagonista é um homem condenado a trinta anos de prisão por um crime que não cometeu. Os altos muros cinza foram, durante toda a sua juventude, a paisagem cotidiana que seus olhos viram. 
Pouco a pouco ele foi se habituando ao ambiente carcerário: os demais internos se tornaram seus irmãos, e os responsáveis pelo lugar se transformaram na autoridade familiar. Sua cela era seu quarto, e a biblioteca era seu único refúgio. Os livros de aventuras o transportavam para além dos muros de concreto.
Chegou o dia em que a sua sentença foi cumprida, mas ninguém se lembrou disso, nem sequer ele mesmo. Três anos se passaram, e um funcionário percebeu que o homem já tinha direito à liberdade havia tempos. 
Ao lhe comunicarem isso, ele ficou aterrorizado. Quando as portas da prisão se fecharam às suas costas, ele sentiu-se nu. De repente, o mundo exterior – a liberdade – lhe parecia uma prisão imensa.
Todos somos um pouco como esse homem. Ansiamos pela liberdade, mas morremos de medo dela.

Allan Percy
do livro Kafka para Sobrecarregados- pg 14

Um comentário :

  1. A história me fez lembrar um pouco da Alegoria da Caverna, mesmo que a mensagem seja diferente.

    ResponderExcluir

Fico feliz com a sua companhia!
E fico mais feliz ainda quando você deixa um comentário!
Obrigada viu! :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...