Tradutor

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

A principal causa do sofrimento...


"A principal causa do sofrimento do ser humano é seu desejo de deter o que não pode ser detido, atar o que não pode ser atado, preservar o que não pode ser preservado. Ele insiste em atribuir imortalidade àquilo cuja natureza é mortal. Então fica ansioso. A ansiedade se deve à incerteza quanto ao futuro. Essa é a razão pela qual, quanto mais o materialismo se impõe, mais a ansiedade se agrava."

Osho


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Reflexão sobre amizade e as redes sociais...



Olá amigos!

Recebi esse vídeo e achei muito legal tudo que foi dito.
Acredito que devemos repensar nossos valores...nossas atitudes nas redes sociais...nossos relacionamentos...
Analisar nossa necessidade de "se expor" tanto, para um grande número de pessoas que não temos a mínima intimidade. O que seria isso? Vaidade? Carência? Exibicionismo? Ou o que?
Querer aparentar que é uma pessoa interessante, que é feliz e tem uma vida perfeita...mas será que é isso mesmo? É isso que você realmente sente lá no fundo do seu coração? 
Não sou contra o uso das redes...mas a favor de repensarmos nossas atitudes. 
Usar sim...mas com moderação e bom senso...como qualquer coisa na vida! :)

Tudo que é demais envenena...Tudo que é de menos, não faz efeito. O segredo é a dose...



Espero que gostem do vídeo...
Beijos reflexivos...

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Perto de mim, só gente bonita...



As portas da igreja se abriram e lá estava ela, linda como eu já imaginava, ao lado do pai emocionado. Olhou para o altar com um encantamento de menina, sorriu e se deram as mãos. Antes do primeiro passo, ela virou-se pro pai, beijou sua mão e perguntou com toda doçura do mundo: vamos? Enquanto ela entrava, agradeci por poder estar presente e fiquei tentando adivinhar o que fazia este momento tão bonito. O vestido era perfeito, mas não era isso. O cabelo estava lindo, mas não era isso. A música, a decoração, estava tudo tão mágico mas ainda era pouco. Ao vê-la caminhando radiante e iluminada em direção ao seu príncipe, pude perceber que a beleza daquela noite era ela.


Percebi, de uma maneira concreta e definitiva, que beleza interior é externa. Não é um jeito de dizer. Primeiro a frase soou estranha e depois pareceu muito clara. A beleza interior transparece o tempo todo, é violentamente evidente. A verdade com que se olha, a delicadeza com que se responde, o interesse com que se ouve, a capacidade de discordar respeitosamente. Tudo isso influencia a presença da pessoa no mundo: muda o jeito que ela gesticula, que se move, que ri. 

São atitudes assim que tornam a beleza consistente. Se parar para pensar, somos bem mais ação que contemplação. Se tirarmos as oito horas de sono, sobram dezesseis horas para interagir: conversar, trabalhar, comer. Fazer dessa interação uma boa experiência requer muito mais que um rostinho de miss. 

É claro que beleza física importa. Toda mulher que eu conheço quer se sentir bonita e isso tem garantido a sobrevivência de boa parte das revistas de globais e BBBs. Mas acho que se fala muito pouco sobre o outro lado. Pessoas bonitas têm pontos de vista interessantes, riem de si, são autênticas. Pelo menos para mim, seria bem pertinente se as dicas de beleza fossem além da maquiagem. Quer ficar mais bonita? Experimente não constranger os outros, espere a sua vez de falar, escolha assuntos agradáveis, não espalhe segredos que não são seus. Atitudes egoístas deixam as pessoas muito muito feias e isso conta mais que a cor do batom. 

Ao ver minha amiga entrando na igreja, encontrei a minha definição de beleza: bonito é quem a gente pode admirar. Não sei se é assim que funciona para todo mundo, mas é assim que eu tenho escolhido meus amigos. É esse tipo de gente que eu quero por perto: gente generosa, positiva, justa, gente que nos abre os olhos e nos puxa pra cima. 

Para tudo que não seja isso, a beleza não passa de um atributo provisório.
A feiura é uma questão de tempo...

por Sarah Westphal
Fonte: Papel Baunilha


Que lindeza de texto...amei! 

Meditação: Ventilador Curativo



Olá amigos!

Coisa boa eu adoro compartilhar! 
E ontem tive acesso a essa deliciosa meditação disponibilizada para download no site Feliz com Você, da Amanda Dreher. Chama-se:Ventilador Curativo.
É uma meditação rápida, que você pode fazer em 10 minutos, mas que tem um poder transformador.
Experimente! 
Acesse o link: AQUI


Paz, luz e positividade...


terça-feira, 27 de outubro de 2015

O bom e velho orgulho...


Sei que quero escrever sobre uma coisa, mas não sei direito o nome dela. Talvez precise falar de orgulho, talvez precise falar de respeito, ou talvez isso passe pelos dois.

Eu estava voltando do supermercado e, quando cheguei ao carro, com o carrinho cheio de compras para serem descarregadas, vi um carrinho parado bem atrás do meu carro. Sabe, estava cheio de espaço para deixar carrinhos vazios, mas a criatura deixou bem atrás do meu carro, me fazendo ter mais uma tarefa, que não era minha. Tenho notado o quanto as pessoas estão desrespeitosas umas com as outras ultimamente, ou será que sou eu?

Sempre fui bastante orgulhosa. Orgulhosa no sentido de não conversar com o porteiro, porque simplesmente não me lembrava dele, ou de não ligar de volta para o meu namorado depois de uma briga em que eu “jurava” que tinha razão. Está certo que, algumas vezes, isso é distração (no caso do porteiro, por exemplo), mas na maioria das vezes eu estava bem ciente do que estava fazendo.

Até que um dia acordei com um dos olhos com espasmos. Sabe aquela tremidinha que os olhos dão e que até chegam a atrapalhar a visão? Algumas pessoas dizem que é a pressão ocular, outras que é nervoso, mas o fato é que a coisa não passava. E lá fui eu tentar descobrir o que diabos era aquilo.

Depois de conversar com meia dúzia de colegas metafísicos entendi: orgulho. O orgulho, literalmente, estava me cegando. Mas é difícil para um orgulhoso reconhecer o orgulho mesmo que tropece nele. Então esses espasmos duraram dias e dias, até o fatídico dia do carrinho atrás do meu carro no supermercado.

Fiquei brava. P... da vida, para ser bem sincera... que falta de respeito! Custa colocar o carrinho de volta no lugar dele? Custa tirar a sujeira da mesa do shopping quando se levanta? Custa deixar uma pessoa entrar numa situação complicada no trânsito? Custa não grudar o carro na nossa bunda pedindo passagem? Custa dizer um oi, que seja?

Pois é. Algumas vezes, custa sim. E eu tive que descer do alto do meu pedestal de orgulho para perceber o quanto eu também faço isso com as pessoas. O quanto a “preguiça” não me deixa parar o carro quando alguém precisa de passagem. O quanto eu não quero admitir que eu preciso das pessoas e o quanto eu fico tentando provar o contrário o tempo todo. O orgulho é aquela parte de nós que acha que não podemos ser humilhados ou passar vergonha. Com o tempo e a loucura começamos a levar isso para todos os âmbitos da nossa vida.

No trânsito, por exemplo. Já perceberam que o que faz o trânsito dar um nó é mais a falta de tato das pessoas do que o trânsito em si? Está todo mundo lá para ganhar! Ganhar mais espaço, ganhar um lugarzinho que seja na fila de carros que estão esperando para entrar, ganhar tempo. Ninguém quer ser o bobo, ninguém quer ser passado para trás ou tomar uma fechada! Não. E se isso não é orgulho, é o quê, então?

Eu, pelo menos, vivo numa cidade apinhada de gente orgulhosa como eu. E está cada vez mais difícil viver aqui. Por que será? Justamente porque ninguém pode ser o bobo da corte, ninguém pode fazer a sua parte porque acha que isso é humilhante? É humilhante colocar um lixo no cesto? É humilhante tirar a sua bandeja quando utiliza uma mesa do shopping? É humilhante deixar uma senhora idosa passar na frente na fila no ônibus? Sim, para não nos sentirmos humilhados, humilhamos primeiro. Olhamos todo mundo de cima, do alto do nosso orgulho. Enxergamos as pessoas como inimigos e não como pessoas reais com necessidades reais e muito, mas muito parecidas com a nossas.

Que tal começar um processo ecológico de limpeza? Deixarmo-nos ser mais bobos, mais tolos, como prega a filosofia oriental? Não tem nada de errado em errar. Não tem nada de errado em sermos considerados os bobos, já que é isso que nos libertará de todo esse jugo social que precisamos cumprir dia após dia. Eu estou cansada de ser orgulhosa. Cansada de deixar oportunidades passarem por conta do meu orgulho.

Não quero mais espasmos nos olhos! Quero conhecer as pessoas que trabalham para mim de alguma maneira. Quero poder ser gentil com alguém em qualquer lugar que eu for. Isso não fará de mim uma idiota, fará de mim uma cidadã! Alguém que tem o mínimo de noção de que vive num lugar com mais e mais pessoas e que não acha que todo mundo está lá para servi-lo!

E não quero mais perder oportunidades de crescimento e de evolução porque não dei o braço a torcer. Danem-se os braços torcidos! Eu quero é ser feliz!

P.S.: Depois de escrever este texto desci do meu orgulho e consegui ser atendida por um terapeuta (num curso) na frente de 150 pessoas. Falei do pior de mim e não me senti mal por isso!

Andrea Pavlovitsch

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Sobre o Perdoar...


• Perdoar sempre será melhor para você do que para quem lhe feriu.
• Perdoar é se recusar a guardar lixo no coração.
• Perdoar é entender a humanidade da pessoa que lhe magoou – ela, assim como você, não é perfeita e errar faz parte do aprendizado de qualquer um.
• Perdoar não é aceitar o erro e nem se sentir obrigado a reconciliar.
Perdoar é não julgar, é parar de querer que o outro seja quem ele ainda não consegue ser.
• Perdoar é libertar seu coração para amar melhor, ser amado de verdade, ser saudável e prosperar.
• Perdoar é se prevenir e se curar de doenças capazes de lhe destruir.
• Perdoar não é um sentimento, é uma decisão que só depende de você.
• Perdoar é, enfim, se desfazer da vã ilusão de que tudo poderia ter acontecido de forma diferente. Desapegue-se desse passado de sofrimento e siga em frente, com o firme propósito de renovação, saúde e paz interior.
• Perdoar, mais que um ato de generosidade, é, enfim, um ato de inteligência e de amor-próprio, porque você sempre será o maior beneficiado.
• E não se esqueça de perdoar também a si mesmo, porque quando você se aceita e se perdoa, fica muito mais fácil aceitar e perdoar aos outros.

Silvana Rangel
Fonte: STUM



domingo, 25 de outubro de 2015

Somos todos um...


“Tudo que de fato importa entender nessa vida, é que nós, separados somos apenas um imenso acúmulo de nada. Voltas e voltas sem chegar a lugar nenhum. Tempo perdido. A história do existir só se escreve a muitas mãos... Mãos entrelaçadas resistindo à indiferença, ao ódio, à presunção do pensar-se superior... Acredite, não há um topo, não há maiores nem menores nesse enredo. Somos harmonia, cumplicidade, perdão, altruísmo, fraternidade. Somos respeito, humildade... Somos um."

Gi Stadnicki

sábado, 24 de outubro de 2015

Relaxando no SER...


Você já é bom o suficiente. Você já tem tudo de que precisa. Você pode ganhar conhecimento e adquirir ferramentas, mas isso não significa que você vai ser melhor do que já é. Será diferente, não melhor. Colocar as coisas como melhor ou pior apenas faz com que você se perca no terrenos das comparações e as comparações só te afastam da beleza do que é neste exato momento. O que é, é. E está bom em ser assim.

"Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons."  Sigmund Freud

Flavia Melissa


quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Baixando a bola...


"Vez em quando é bom baixar um pouquinho. Baixar a bola. Baixar o nariz empinado. Pra chegar mais perto, pra ouvir o outro. Pra enxergar o que de cima não se consegue ver. Baixar um tantinho pra lembrar de onde veio. Pra ajudar quem precisa a se levantar. Faz mal não, viu? Nem é humilhação. É humildade. Coisa boa de se ter!"

Rachel Carvalho


Refletindo...e baixando a bola... 


terça-feira, 20 de outubro de 2015

A importância de perdoar os pais e os antepassados.


Boa parte dos nossos conflitos emocionais surgem da nossa relação como os pais. Acredito que isso não seja nenhuma novidade. Mas por que surgem esses conflitos? Porque os nossos pais também guardam conflitos mal resolvidos com nossos avós, e acabam passando, de forma inconsciente, seus problemas para os filhos através de exemplos, atitudes e palavras. Se os nossos avós têm problemas de autoestima, se sofreram problemas de rejeição, ou se têm qualquer tipo de questão emocional, é claro que isso irá afetar a relação com os nossos pais. Os nossos avós, por sua vez, também tiveram lá suas questões com os nossos bisavós. Os nossos bisavós influenciam os nossos avós, que influenciam nossos pais, que nos influenciam. E eu, você, iremos passar boa parte da negatividade adquirida que veio das gerações passadas para os nossos filhos, que por sua vez, irão passar para seus filhos... Creio que deu para perceber a dimensão maior e mais profunda dos problemas que carregamos e que vão passando de geração em geração. 

Temos uma imagem dos pais como seres que têm o dever de ser maduros e responsáveis. Essa é a nossa ótica na perspectiva do filho. E nessa perspectiva, é como se fôssemos crianças. Uma parte de nós, cobra dos nossos pais coisas que eles deveriam ter feito ou que deixaram de fazer, o carinho e a atenção que não recebemos da forma que queríamos etc.. No entanto, não vemos que nossos pais também são filhos. Sabemos disso racionalmente, mas não conseguimos enxergar isso em uma dimensão mais profunda, nos colocando no lugar deles de forma verdadeira.

(...)Faça um teste e comece a observar pessoas que têm relações problemáticas com os pais. Perceba como são essas pessoas estão em todas áreas. Estão prosperando? Relacionam-se bem com amigos? Tem relacionamentos amorosos saudáveis? Como é autoestima dessas pessoas?  É possível que você detecte que, quanto piores as relações familiares, maiores as chances de se observar problemas em outras áreas. 

(...)Ficar em paz com os pais e antepassados é um excelente remédio para curar relacionamentos, saúde física, todo tipo de questão emocional e melhorar a prosperidade.


Trechos de um Texto escrito por André Lima - EFT


Bom, acredito que nossa vida é como a vida de uma árvore...
Para que permaneça em pé, viçosa e abundante...precisa que suas raízes estejam fortes e fixas na terra. Se nossas raízes ( relação com nossos pais e antepassados) não estão em harmonia...isso irá refletir sobre todos os aspectos da nossa existência.
Faça um teste, mesmo que você não tenha uma mágoa consciente do seus pais...pense neles com um profundo sentimento de gratidão. Agradeça a "vida" que eles te deram. Agradeça aos seus antepassados...pois graças a eles você está aqui hoje! Vibre por alguns minutos nesse sentimento. Se você tem filhos, pense...que graças a essas pessoas você tem seus filhos! Você vai ver que muitas coisas começarão a mudar. Pois suas raízes estarão ganhando Luz...e fixando-se na terra. Naturalmente os nutrientes necessários começarão a fluir, os galhos que estavam doentes ganharão uma nova vitalidade, as folhas ficarão mais verdes...e tudo irá fluir...assim como na natureza! 
Mas se você tem alguma mágoa viva dos seus pais...cure isso! Não deixe que essa água podre 
( mágoa = má+ água) apodreça suas raízes! Esse fato compromete todo um sistema... 
Por mais difícil que seja perdoar, por mais horrível que seja os motivos...pense nos seus pais como crianças, que passaram por situações semelhantes com os pais deles. 
Imagine-os crianças e faça esse oração diariamente ( escolha a que mais te toca: clique aqui ou essa em vídeo clique aqui)...até você sentir que esse sentimento ruim foi embora...com o vento...

Tenho certeza que muita coisa irá mudar na sua vida! Experimente!
Paz e Luz no seu caminhar...

Sheila Costa
do blog Passarinhos no Telhado




segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Responsabilidade x culpa


A culpa é um processo de desistência do poder. 
A responsabilidade atribui-nos o poder de introduzir mudança nas nossas vidas.
Se fizermos o papel da vítima, estamos a utilizar o nosso poder pessoal para nos tornarmos indefesos. 
Se decidirmos aceitar a responsabilidade não perdemos tempo a culpar ninguém ou uma coisa qualquer.
Algumas pessoas sentem-se culpadas pela doença, a pobreza ou os problemas que surgem. Interpretam a responsabilidade como culpa. (Alguns membros da comunicação social referem-se a este fenômeno como a Culpa da Nova Era.) Estas pessoas sentem-se culpadas por julgarem que falharam em alguma coisa. No entanto, de uma maneira ou outra, aceitam tudo como uma onda de culpa, porque essa é apenas mais uma maneira de se enganarem. Mas não é disso que estou a falar.

Se aproveitarmos os nossos problemas e doenças como oportunidades para pensar sobre como mudar
as nossas vidas, então temos poder. Muitas pessoas que atravessaram períodos catastróficos de doença afirmam que as implicações desse acontecimento foram maravilhosas, ao proporcionar-lhes a hipótese de olhar para a vida de uma maneira diferente. Por outro lado, muita gente vai por aí chorando "Sou uma vítima,coitado de mim. Por favor, doutor, cure-me." Penso que vai ser muito difícil estas pessoas curarem-se ou resolverem os seus problemas.

Responsabilidade é a nossa capacidade de reagir a uma situação. Temos sempre escolha. Isto não quer dizer que neguemos quem somos e o que temos nas nossas vidas. Significa tão somente que podemos reconhecer que contribuímos para estar onde estamos. Assumindo a responsabilidade, temos o poder de mudar.

Podemos dizer: "O que é que eu posso fazer para alterar esta situação?" Precisamos de compreender que todos dispomos sempre do poder pessoal. Depende do modo como o usamos.


Do livro: O Poder está dentro de si
de Louise L. Hay
imagemdaqui
 



sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Cada um dá o que pode...e só...


"Se eu posso te dar um conselho, eis aqui: Não mendigue atenção de quem quer que seja. Não se esforce para compartilhar minutos com quem está mais interessado em coisas que não te incluem. Não prolongue a conversa apenas para ter o outro por perto, quando você perceber que precisa se esforçar bastante para que o monólogo vire um diálogo. Esqueça. Prefira a sua solidão genuína à pseudo presença de qualquer pessoa. Ainda digo mais: Perceba que existem pessoas que curtem dividir a atenção contigo sem que você precise desprender esforço algum. Aproveite o que te dão de livre e espontânea vontade. Dispense o que te dão por força do hábito ou por conveniência. Esqueça o que não querem te dar. Cada um dá o que pode."

Mario Calfat David
imagemdaqui

Abençoe e solte...

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Se não faz bem...deixa ir...


"Todas as doenças têm origem num estado de não-perdão.Sempre que estamos doentes, necessitamos procurar dentro de nossos corações para descobrirmos quem precisamos perdoar. 

Eu acrescentaria a isso que a pessoa a quem você achará mais difícil perdoar é a DA QUAL VOCÊ MAIS PRECISA SE LIBERTAR. Perdoar significa soltar, desistir. Não tem nada a ver com desculpar um determinado comportamento. É só deixar toda a coisa ir embora. Não precisamos saber como perdoar. Tudo o que necessitamos fazer é estarmos dispostos a perdoar. O Universo cuidará dos como".

Louise Hay

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Qual a sua escolha?



Sim, a vida em muitos momentos é difícil. Não, nem sempre sabemos o que fazer ou como fazer ou porque fazer. Sim, nos magoamos no caminho, magoamos outras pessoas, fazemos uma baita confusão, nos atrapalhamos todos. Ok, é assim que acontece. Mas o que você queria? Se foi exatamente para aprender sobre amor e sobre dor que viemos para este plano, para esta vida? É difícil, mas pode ser simples. É doído, mas pode ser belo. É intenso, mas de dentro da intensidade pode brotar a leveza, se você deixar. Assim como os primeiros raios de sol brotam do meio da mais profunda escuridão. Basta que você aceite que este é o caminho e que você escolheu por ele. Enquanto você ocupar o papel de vítima, absolutamente nada vai acontecer. NADA. Porque a vítima não pode fazer nada a não ser torcer para que a ajuda venha de algum canto e ela possa ser salva. Mas você não precisa de salvamento. Você não precisa de nada. E quem não precisa de nada pode escolher ter o que quiser. Qual a sua escolha?
Cada um recebe o que tem coragem de pedir. 
Não se esqueça...

Flávia Melissa


domingo, 11 de outubro de 2015

Antes que eles voem por aí...



"É possível que você tenha comprado brinquedos para os seus filhos...
Mas sugiro que aquilo que seu filho mais deseja é ter você como companheiro de brinquedo
Não me esqueço da imagem triste de um pai, numa manhã de domingo, empurrando o filho no balanço com a mão esquerda enquanto lia o jornal que segurava com a mão direita. Para aquele pai, brincar com o filho era um sacrifício. Para ele o importante eram as notícias do jornal.
A infância passa rapidamente. Logo logo a única coisa que restará será o jornal na mão direita e o vazio na mão esquerda..."

Rubem Alves

Aproveitem a  infância de seus filhos! 
Antes que eles voem por aí...neste céu infinito...
Sente no chão, curta essa fase que passa tão rápido! 

Feliz dia das Crianças!


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O Tio do Jardim...


Amo livros...

Algumas pessoas adoram o cheiro de um livro novo ( e cá pra nós...não vou dizer que é ruim...)
Mas um livro usado tem lá sua poesia.
Fico imaginando.. quem será que folheou essas páginas e leu essas palavras? O que será que sentiu? Em que momento da vida estava?
Um livro usado carrega consigo uma história não contada, que está impregnada nas suas páginas... na capa, na contracapa, nos rabiscos, nas assinaturas, no amarelado do tempo...
E hoje ao receber um livro de um Sebo on-line onde faço minhas compras regulamente...fiquei extremamente emocionada com o que li em uma singela dedicatória...
Era uma letra um pouco trêmula, típica de alguém com mais idade.
Uma dedicatória tão sincera, que a energia das palavras ditas naquela data...dia 28 de março de 1983...ainda vibravam na contracapa daquele pequeno livro.
Essa gentil dedicatória era para um jovem que estava de aniversário na época e foi escrita por um Senhor que assinou humildemente como "Tio do Jardim".

Clique na imagem para ampliar

Quanto carinho e delicadeza em algumas palavras...
Era um desejo sincero que esse rapaz fosse muito feliz , que realizasse seus sonhos...e expressasse toda sua capacidade ao mundo!
Não sei quem era o Tio do Jardim...nem quem era esse jovem rapaz... 
Mas espero que ele tenha lido este livro com todo o carinho e que este tenha feito a diferença em sua vida...
E que o Senhor, tenha cumprido sua missão...e semeado...
Bom, pelo menos é isso que os "Tios dos Jardins" fazem por aí...

Beijos poéticos...

Sheila Costa
do Blog Passarinhos no Telhado

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Está triste? Então vem tomar um chá de alecrim!


Alecrim é a erva da mente...

Há dias em que se tem a impressão de se estar dentro de um espesso nevoeiro. Tudo parece monótono e difícil e o coração fica triste. É a noite escura da alma. Era meu aniversário e justamente um destes dias estranhos, quando pensei: "Vou tomar um chá de alecrim!"
Fui ao jardim e lá encontrei um viçoso pé de alecrim. Interessante é que quase todos que visitam nossos jardins demonstram afeição e respeito pelo alecrim. Confesso que nunca liguei muito para ele. Mas, naquele dia, com toda reverência, colhi alguns ramos, preparei um chá e me servi em uma linda xícara. O aroma era muito agradável e, a cada gole que bebia, senti a mente ir clareando. Uma sensação de bem-estar e alegria foi se espalhando pelo corpo e senti a sensação de enorme felicidade. Fiquei muito impressionada com a capacidade dessa planta transmitir alegria. Aliás, o nome alecrim já lembra alegria. Resolvi pesquisar a respeito e veja só que maravilha.

O alecrim - Rosmarinos officinalis, planta nativa da região mediterrânea - foi muito apreciada na Idade Média e no Renascimento, aparecendo em várias fórmulas, inclusive a 'Água da Rainha da Hungria', famosa solução rejuvenescedora. Elizabeth da Hungria recebeu, aos 72 anos, a receita de um anjo (um monge?) quando estava paralítica e sofria de gota. Com o uso do preparado, recobrou a saúde, a beleza e a alegria. O rei da Polônia chegou a pedi-la em casamento!

Madame de Sévigné recomendava água de alecrim contra a tristeza, para recuperar a alegria. Rudolf Steiner afirmava que o alecrim é, acima de tudo, uma planta calorífera que fortalece o centro vital e age em todo o organismo. Além disso, equilibra a temperatura do sangue e, através dele, de todo o corpo. Por isso é recomendado contra anemia, menstruação insuficiente e problemas de irrigação sanguínea. Também atua no fígado. E uma melhor irrigação dos órgãos estimula o metabolismo.

Um ex-viciado em drogas revelou que tivera uma visão divina que o tornou capaz de livrar-se do vício. Foi-lhe indicado que tomasse chá de alecrim para regenerar e limpar as células do corpo, pois o alecrim continha todas as cores do arco-íris. O alecrim é digestivo e sudorífero. Ajuda a assimilação do açúcar (no diabetes) e é indicado para recompor o sistema nervoso após uma longa atividade intelectual. É recomendado para a queda de cabelo, caspa, cuidados com a pele, lesões e queimaduras; para curar resfriados e bronquites, para cansaço mental e estafa e, ainda, para perda de memória, aumentando a capacidade de aprendizado.

Existe uma graciosa lenda a respeito do alecrim: quando Maria fugiu para o Egito, levando no colo o menino Jesus, as flores do caminho iam se abrindo à medida que a sagrada família passava por elas. O lilás ergueu seus galhos orgulhosos e emplumados, o lírio abriu seu cálice. O alecrim, sem pétalas nem beleza, entristeceu lamentando não poder agradar o menino. Cansada, Maria parou à beira do Rio e, enquanto a criança dormia, lavou suas roupinhas. Em seguida, olhou a seu redor, procurando um lugar para estendê-las. 'O lírio quebrará sob o peso, e o lilás é alto demais'. Colocou-as então sobre o alecrim e ele suspirou de alegria, agradeceu de coração a nova oportunidade e as sustentou ao Sol durante toda a manhã. "Obrigada, gentil alecrim! disse Maria. Daqui por diante, ostentarás flores azuis para recordarem o manto azul que estou usando. E não apenas flores te dou em agradecimento, mas todos os galhos que sustentaram as roupas do pequeno Jesus, serão aromáticos. Eu abençôo folha, caule e flor, que a partir deste instante terão aroma de santidade e emanarão alegria."

...e assim foi!

Bom chá para nós! 

Fonte: Consciência Corporal
imagens: google


Leia também:
Alecrim - Alegria

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Pessoas que se ofendem facilmente...



"A harmonia pode ser conseguida controlando as nossas reações emocionais, separando o Ego do Eu e, principalmente, evitando as reações negativas em atos ou palavras, mesmo quando nos sentimos magoados ou intimamente agredidos. Lembrem-se que o Eu não se ofende e não se magoa, quem se ofende é o Ego! A Paz Interior seria, portanto, uma conseqüência da conquista das duas primeiras qualidades e, então, a terceira, a Paz Interior, será o estado de verdadeira felicidade! A Paz Interior afasta os medos de nossa mente, aquieta as nossas reações emocionais e coloca em seu lugar uma sensação de confiança, estabelecendo uma conexão direta com o Ente Superior que nos guia pelo caminho da vida rumo à nossa meta pessoal."


André Lima - EFT
Fonte: STUM

Uma pessoa melindrosa é aquela que se ofende e se magoa com facilidade. Aborrece- se com tudo e com todos, sem que haja grandes motivos para isto. Guarda ressentimento por longo tempo, pois enxerga maldade em todas as atitudes que contrariam seu modo de pensar ou agir. É incapaz de compreender, aceitar e perdoar as faltas dos seus semelhantes. Uma pessoa melindrosa não busca esclarecer os pontos obscuros de uma determinada situação, preferindo julgar-se injustiçada e incompreendida.

Melindrar-se significa perder ótimas oportunidades de crescimento e aprendizado pois, aquele que se melindra, não consegue distinguir o certo do errado, o que é bom do que é ruim. Se alguém não lhe cumprimenta, seu primeiro impulso é julgar esta pessoa antipática ou mal educada, sendo incapaz de pensar que ela, assim agiu, talvez por vergonha ou timidez. Se alguém lhe dirige uma palavra mais áspera, entristece-se e revolta-se, mas, em momento algum, procura identificar os motivos que levaram esta pessoa a agir desta forma.

Quando nos sentimos ofendidos ou ficamos magoados facilmente, aqueles que nos rodeiam afastam-se de nós, pois nunca sabem o que dizer ou o que fazer para nos agradar. Sabem que uma palavra mal colocada pode nos trazer grandes aborrecimentos. Passamos a ser um problema na vida daqueles que convivem conosco diariamente. Tornamo-nos pessoas amargas e, consequentemente, solitárias.

Para encerrar, lembremo-nos de que a melhor forma de vencermos nossos melindres, bem como de evitar ficarmos ofendidos, é sempre buscar uma justificativa para o comportamento de nossos semelhantes. Assim nos orienta Lourival Lopes em Gotas de Esperança:

“Se alguém o vê e não o cumprimenta, pense: ele não me conheceu. Se o conhece: ele não me viu. Se o viu: ele está distraído. Se virou o rosto: ele está com problemas. Se o tratou secamente: ele está infeliz. Se o tratou formalmente: ele deve ter suas razões. Se o ofendeu: ele está doente. A todos, indistintamente, deseje: Deus lhe dê a paz”

Alexandre Ferreira 
Fonte: neapa


Acredito que uma coisa deve ficar bem clara na nossa mente...quem se ofende é o EGO.
Se estamos ofendido com alguém, saiba que não somos nós que estamos ofendido é sim nosso Ego frágil e carente e que adora encontrar um problema para sentir-se vivo!  Estamos distantes de nossa essência, do nosso verdadeiro EU. 
Em segundo lugar...quem dá a importância para aquilo que foi dito somos nós! E só nós temos temos o poder de tirar essa importância!  Se pensarmos que é apenas a opinião de uma pessoa, de um ser humano que tem seus problemas como todo mundo, que tem seus defeitos, suas carências e suas dificuldades enfim... Se nós tirarmos a "importância"  tudo fica mais fácil.

Então vamos serenar...voltar o nosso olhar para o nosso Eu, reverenciar o maravilhoso filho de Deus que somos...e deixar todo o resto pra lá...
Deixe que a correnteza da vida leve... E não deixe (mágoa= má água) água parada em sua vida. 

Paz e Luz...
Sheila Costa 
do blog Passarinhos no Telhado


Meditação para abençoar todos os fatos



Devemos compreender que toda e qualquer experiência da vida é uma condição necessária para fortalecer e elevar nossa alma. Vamos abençoar todas as experiências e agradecer a elas, encarando-as como lições que aprimoram nossa alma. Dirijamos à nossa própria alma as seguintes palavras:

Por mais difícil que seja a lição,
assimilo-a totalmente para elevar minha alma.
Sou uma parte do Universo.
Aos olhos de Deus, que é a Vida universal,
sou perfeito.
Agradeço a Deus, que me deu a oportunidade
de aprimorar a alma e entender a finalidade da vida.
Abençoo tudo que se aproxima de mim.
Vivo perfeita e plenamente o meu dia-a-dia.
Sou o Caminho, sou a Luz.
Sou perfeito na essência.
Dentro de mim está presente Deus,
que é a Vida universal.

Masaharu Taniguchi


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Perdas Prematuras sob a Ótica Espiritual


“Ante os que partiram, precedendo-te na Grande Mudança, não permitas que o desespero te ensombre o coração. Eles não morreram. Estão vivos. (...) Pensa neles com a saudade convertida em oração. As tuas preces de amor representam acordes de esperança e devotamento despertando-os para visões mais altas na vida.” ( Emmanuel - Psicografia de Chico Xavier)

A morte prematura de um filho sempre causa, além de sofrimento aos pais, muita inconformação e perplexidade. Na verdade, a desencarnação em tenra idade ou na fase de adolescência e juventude sempre é motivo de comoção e tristeza para todos. Mesmo que alguém tente explicar as várias razões para tal acontecimento, sempre fica no ar aquele sentimento de incompreensão e impotência.

Para os pais a pergunta inevitável é Por que? São comuns as indagações: Por que, meu Deus, isso aconteceu? Por que meu filho foi embora tão cedo se ele tinha ainda uma vida inteira para viver? Que fiz para merecer tanto sofrimento? A resposta para as perguntas que tanto os angustiam faz-lhes, não raras vezes, modificar seus conceitos de vida e morte, levando-os a refletirem na justiça de Deus e a procurar entender seus desígnios.

O sofrimento pela perda de um filho é uma das dores mais profundas que se pode ter. Mas é nessas horas de dor que as razões para a perda prematura os fazem meditar no sentido maior da vida, levando-os a profundos questionamentos sobre a Justiça Divina. Não se pode acreditar na Justiça Divina, com o pensamento de que, em relação a nós, houve injustiça pela morte prematura de um filho. Por que, dentre tantos, justo comigo? A reflexão que se deve fazer de tal Justiça é que ela é igual para todos, sem exceção nem favoritismos. Baseando-se nestas reflexões é que constatamos que, se a justiça alcança a todos indistintamente, não pode estar errada em relação a nós.

Então, precisamos encarar as perdas de forma natural, mesmo que venha a ocorrer prematuramente. Se a procura por respostas não abranger a visão espiritual sobre a vida e a morte nunca se poderá chegar verdadeiramente a uma razão convincente para a perda do ente querido. Precisamos entender que somos Espíritos imortais ocupando temporariamente um corpo físico e aqui estamos para cumprir uma etapa de nosso aprimoramento espiritual. Nossa programação de vida abrange o meio onde reencarnamos, as dificuldades, obstáculos e compensações que teremos, assim como o gênero de morte e a idade que retornaremos ao plano espiritual.

Tudo está inserido em nosso roteiro de vida, com o intuito primordial de nos proporcionar o melhor em termos de evolução espiritual e não para nos causar sofrimentos em vão. Os motivos para as desencarnações prematuras são vários, mas nunca contradizem a justiça divina. Elas podem ocorrer, visando a necessidade do Espírito desencarnado ou com o objetivo de levar à transformação moral ou deixar algum aprendizado aos pais, fazendo-os refletirem no propósito maior da vida e acordarem de suas visões materialistas. 

Mesmo que tenhamos nosso roteiro de vida e um tempo determinado para viver como encarnado, o livre arbítrio sobre o tipo de vida que escolhemos viver é que definirá se alcançaremos o tempo predestinado em nosso roteiro de vida ou se regressaremos antecipadamente à espiritualidade. Há sempre uma razão de ser para os acontecimentos que não conseguimos compreender. É de vital importância as palavras de Jesus, quando nos fala: “uma folha não se move que não seja com o consentimento do Pai.” 

Assim, mesmo que você esteja atravessando um período difícil de dor e desespero com a partida prematura de um filho querido, não esqueça que a vida continua e que ele estará, seja no plano espiritual ou material, evoluindo, e que os dois planos de vida interagem sempre, dando-nos a certeza de que a vida prossegue célere, seja em que plano estivermos. Se a saudade for difícil de suportar, que tal procurar aliviá-la dedicando a outras pessoas, em especial aquelas carentes de afeto, um pouco de atenção e carinho? O amor ao próximo pode transformar a dor numa saudade mais amena, e seus corações serão preenchidos pela certeza de que um dia os encontrarão novamente para novas realizações.

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras."
Reinhold Niebuhr

Paz e Luz a todos.

Guilhermina Batista Cruz 
Fonte: STUM


Acredito que nada acontece "por acaso" neste mundo...
Muitas vezes não podemos entender agora, mas as respostas vem lá adiante, em alguma curva do caminho... 
A ligação entre mãe e filho é algo muito profundo...que transcende a matéria. 
E se você que está lendo essas palavras agora, perdeu seu filho...lembre-se: vocês estão conectados espiritualmente para sempre! Os olhos carnais podem não estar vendo...mas este Ser, que tem essa profunda conexão com você, está lá...ele existe e continua vivo!  Entre tantas mulheres no mundo, ele foi escolher você para ser a sua mãe...e juntos passarem por esta situação! Tudo foi como deveria ser...não se culpe por nada! Existe uma força maior orquestrando este mundo e que tem todas as respostas...e um dia elas chegam...no momento que estivermos preparados, elas chegam! 

Eu sou mãe, e só depois que eu me tornei mãe...que fui compreender a imensidão desse amor. Antes eu não entendia mesmo que tentasse. A oração de uma mãe, é algo extraordinário e de uma força gigantesca...pois é alicerçado neste amor infinito! Então ore pelo seu filho com todo esse amor...ore sempre! Quem sabe essas situações acontecem, pois eles precisam de uma conexão amorosa com alguém no mundo físico e assim receber esse amor em forma de oração? 
A oração é um bálsamo, é como se fosse um alimento para o espírito. Quem sabe esse espírito precisa desse alimento oferecido por ti? Então ore com o coração leve...ore com gratidão por ter sido escolhida para ser essa ponte de amor. Ore com todo amor e com toda verdade que há em ti... Que tenho certeza que você se sentirá bem melhor, pois ele estará muito bem. 

Desejo do fundo da minha alma que você sinta uma energia poderosa te envolvendo neste momento e trazendo todo o conforto que você precisa para o seu coração... 

Um abraço cheio de paz dentro...
Sheila Costa
do blog Passarinhos no Telhado

domingo, 4 de outubro de 2015

Dar Adeus...


"Permaneça disponível ao novo. Morra sempre para o passado. Ele está terminado! Ontem foi ontem e nunca poderá voltar. Se você se apegar a ele, estará morto com ele; ele se tornará seu túmulo. Abra o coração para o que está vindo. Dê as boas vindas ao nascer do sol e sempre diga adeus ao pôr do sol..." 

 Osho
imagemdaqui

 

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Para as mães que se preocupam muito com os filhos...



Muitas mães se preocupam demasiadamente com seus filhos e, conseqüentemente, lhes transmitem vibrações mentais negativas, prejudicando-lhes a saúde e o destino. Algumas mães são tão apreensivas que não conseguem deixar seus filhos fora do alcance de sua vista, mesmo por um momento. Elas imaginam cenas em que seus filhos estão tropeçando e caindo, sendo atropelados por um automóvel, afogando-se no mar, etc. Por que não podem proceder de outra maneira? Elas se inquietam dessa maneira porque consideram suas crianças como filhos dos homens em vez de considerá-los Filhos de Deus. Os Filhos de Deus. São criados por Deus e os filhos dos homens são criados pelos homens. Quem pensa que seus filhos são filhos dos homens terá de viver preocupado a vida toda para criá-los. Porém, quem os considera Filhos de Deus, respeita-os e cuida deles com todo o zelo, mas sem preocupação alguma, pois sabe que Deus os está protegendo. Se alguém pensa que pode manter seus filhos vivos por meio de sua força humana, tente ficar velando por eles dia e noite sem dormir. Certamente não o conseguirá. É a força de Deus que faz as crianças viverem, mesmo enquanto os pais dormem. 

Revelação Divina
A Verdade da Vida, vol. 14, p.140
Seicho-no ie

Zelar sim...
Mas acreditar que acima de tudo ele é filho de Deus...
e está protegido aonde quer que vá.

E eu aqui...mãe de primeira viagem, aprendendo! :)


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Flor do dia


“As pessoas às vezes estão tão distraídas, entretidas e encantadas com o próprio sofrimento, que nada além da oração pode ajudá-las. Por isso eu lhe convido a orar pelo outro. Por onde quer que passe, afirme internamente: ‘Acorde. Que o amor desperte em você. Que Deus desperte em você. Que você seja feliz.’ Permita-se emanar essa onda de luz e compaixão, esse querer bem sem saber a quem. O amor não tem endereço para se corresponder - ele é para todos.” 

Sri Prem Baba

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...