Pesquisar este blog

Tradutor

domingo, 19 de outubro de 2014

Ciúmes: A doença dos que tem a libido reprimida...


A pessoa ciumenta, dentro de uma relação "afetiva",pelo que percebo, está sempre focada na possibilidade de outra pessoa "estragar" sua relação amorosa.
O medo do abandono é tão profundo, que a pessoa deixa de desfrutar do próprio amor que poderia viver, para colocar sua atenção na iminência da perda, como se já estivesse se prevenindo dela. Ela tem tanta convicção de que será abandonada, que só pensa nisso, só olha para isso e não tem disponibilidade interna para vivenciar o amor. Ou seja, está sempre se relacionando com seu pavor, com sua sombra, com seus medos e fantasias de abandono. Ela não se relaciona com seu parceiro(a) de forma plena, inteira e sim com o fantasma do(a) outro (a) que está por vir a qualquer momento e desapoderá-la. É como se ela estivesse sempre num ménage à trois compulsório, em que a terceira pessoa é vista como sendo a ladra de parceiros afetivos, aquela que irá usurpá-la.
Entretanto, possivelmente, essa pessoa não sabe que ela não é uma vítima passiva dos acontecimentos, mas sim que é ela quem constrói sua realidade em consonância com o cosmos. Portanto, no meu entendimento,aquilo que ela vibra, atrai para si. Quem tem medo da perda, já está na energia da própria perda.Está emitindo o sinal de falta para o universo o tempo todo e não de plenitude.Está focada naquilo que poderá ser retirado dela e não no amor que já existe nela mesma. O outro,que irá " roubá-la", é muito mais forte na sua consciência do que ela mesma. Ela não percebe, entretanto,que só pode ser levado de si aquilo que não é essencialmente seu.


Possivelmente,ao que me parece, ela projeta seu próprio poder, sensualidade e libido, que está reprimida, numa terceira pessoa, porque é incapaz de reconhecer essas qualidades em si mesma. A mulher ou homem, da sua imaginação, que irá privá-la de viver seu grande amor, no fundo, é ela mesma. Ela projeta nessa terceira pessoa características que ela mesma tem, mas não enxerga.Por exemplo: ela vê uma mulher belíssima e muito sensual e acredita ,profundamente, que essa mulher poderá seduzir seu parceiro afetivo e levá-lo embora.Isso acontece porque, muito possivelmente, ela não reconhece sua própria beleza e sensualidade, então, a projeta na outra mulher.
Contudo, normalmente, pelo que vejo, a pessoa ciumenta tem uma grande capacidade afetiva.A diferença dela e de uma pessoa amorosa de fato, é que a moeda está virada para o lado oposto. O que fazer então ? Mudar o foco da atenção, dos pensamentos e sentimentos para aquilo que tem de bom em si. 

Meditação, isto é, transcendência da mente, superação do ego, também ajuda muito e, assim como fala o Arly Cravo, a vivência plena da libido, de forma solta e desreprimida.Todas essas técnicas podem ser grandes aliadas para viabilizar a integração da pessoa consigo mesma, na construção da sua confiança e autopercepção.
Essas são, a meu ver, as melhores estratégias práticas que fazem a pessoa ciumenta tirar o foco da perda e ressignificar sua relação consigo mesma fazendo-a entrar em contato com sua imensa capacidade afetiva.
Assim, ela passará, então, a namorar apenas,com inteireza e de forma plena e saudável, o seu (sua) parceiro(a) e não mais, também, o fantasma do outro(a) que ela sempre fantasia que está por vir e roubá-la.
Ela reconhece enfim, que o fantasma da terceira pessoa, é tudo aquilo que ela tem de bom em si, mas ainda não tinha consciência.

Amor, leveza e alegria,
Gisela Vallin
imagens:google

Eu vou um pouquinho mais fundo...
Acredito que vemos aquilo que somos. Se vejo maldade em tudo que meu parceiro faz, no fundo EU estou cheia de maldade...e eu sim tenho essa "capacidade" de fazer toda essa maldade. Talvez eu reprima com todas as minhas forças...mas tenho. Essa maldade "é minha." Por isso vejo e projeto nele. 
E do outro lado, aquela pessoa que se submete a viver com alguém extremamente ciumento, que vive "podando" seus passos...no fundo precisa disso. Não há vítimas.  A sua extrema insegurança atrai parceiros desse tipo.
Bom, esse é apenas o meu olhar...

Também tenho consciência que não é só isso...projeções, inseguranças, baixa estima...
Mas o que Vale é a auto reflexão...e o texto apenas mostrou um caminho.

Sugestão de Livro para quem sofre com o ciúme: "Ninguém é de Ninguém" da Zíbia Gasparetto.
Maravilhoso! Outra forma de olhar esse sentimento que causa tanto sofrimento nas relações.

Beijos reflexivos...


4 comentários :

  1. O ciúme mata.
    Conheço alguns casos. Não são fáceis de resolver porque o ciúme virou uma doença crónica.
    Do outro lado terá de haver sempre persistência,perdão e muito amor

    ResponderExcluir
  2. Concordo que atraímos o que pensamos, mas nem sempre somos o que atraímos. Nosso passado talvez nos deixe frágeis, nesse sentido, no entanto, não somos obrigadas a aceitar o que querem nos impor, através do medo. A relação do ciúmes é muito mais profunda do que podemos imaginar. Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Nossa jamais imaginava que ciúmes tem haver com isso!Super choquei agora e também super me identifiquei!Mas muito obrigada Gi por de alguma maneira tu teres surgido na minha vida,gratidão enorme, está me abrindo muito a mente,sempre assisto teus vídeos e a cada um deles descubro muitas coisas sobre a nossa vida que não sabia,tu com certeza é uma das 5 pessoas que eu gostaria de ter por perto na minha vida!Muito obrigada mesmo de coração !
    Ahhh e tem como matar o nosso égo!HAhahaha...porque ele olha por favor!!! Um beijo =*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que a Gisela não vai ler esse seu comentário! Esse blog não é dela, apenas postei um texto dela, pois aqui compartilho coisas que leio por aí e gosto, e coisas que escrevo! beijos!

      Excluir

Fico feliz com a sua companhia!
E fico mais feliz ainda quando você deixa um comentário!
Obrigada viu! :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...