Pesquisar este blog

Tradutor

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Apropriando-se das Coisas dos Outros - Visão Metafísica


Aquele que se apropria indevidamente do que pertence ao outro, seja por meio de manobras escusas, traições, seja tomando de assalto o que foi conquistado pelo outro, perde a chance de aprimoramento.
Em primeira instância parece que ele está levando vantagem pelos ganhos imediatos, no entanto, está perdendo a chance de desenvolver suas habilidades, por meio do exercício das funções necessárias para a conquista dos bens ou dos pertences de que se apropria.
O que parece fácil de se obter, por já ter sido conquistado por intermédio dos outros, na verdade, dificulta o aprendizado e também impede o aprimoramento pessoal.
Aquele que lesa o outro está, na verdade, boicotando-se.
Isso ocorre em diversos níveis, desde os mais intensos e complexos, como os golpes ou assaltos, até os níveis mais simples do cotidiano, tais como levar vantagem sobre os outros.
Pobre daquele que para ter algo precisa tirar de quem conquistou graças à dedicação nos seus afazeres.Também é lamentável para aquele que perde algo que foi fruto do seu empenho.

Como na metafísica não há vítimas, mas sim sincronismo existencial, que corresponde na íntegra ao padrão interior, aquele que é lesado, não se apropriou daquilo que conquistou.
Apesar de ter obtido as coisas, não se sente merecedor daquele privilégio ou capaz o bastante para ter ganhado o objeto. Essa atitude atrai o evento do assalto; pode-se dizer que a pessoa não se apropriou do que conquistou; por isso perde.

Na sincronicidade do padrão entre quem lesa e quem é lesado destacam-se as seguintes características:

Aquele que furta, aspira pela posse do objeto a ser furtado, e até se sente merecedor, mas não se considera suficientemente hábil para conquistar, pela sua própria força de trabalho. Ele vai em busca de tirar de alguém, que tem “nas mãos” aquilo que ele deseja se apropriar. Esse, por sua vez, ganhou com o trabalho, mas não se apropriou do que conquistou.

Portanto, quando alguém é assaltado ou prejudicado de alguma forma com perdas, seja de dinheiro, objetos ou bens, isso significa que essa pessoa se sente boa para desenvolver as respectivas tarefas, mas não se valoriza pelo que faz. Também não se julga merecedora dos privilégios materiais ou financeiros que angariou no trabalho. Isso pode ocasionar a atração de alguém que venha a causar algum tipo de prejuízo. Esse padrão, antes de causar qualquer dano, como os apresentados, costuma gerar o apego aos bens. Quanto mais apegados a pessoa for, menos posse, no sentido de apropriar-se emocionalmente do objeto, a pessoa tem. Pode-se dizer que aquele que se apega não tem a verdadeira posse; caso tivesse, não se sentiria tão ameaçado de perder.

Geralmente, as pessoas com essas características de comportamento são as que atraem alguém que as lesa ou de alguma forma, perdem aquilo que tanto prezam.
Pode-se dizer que quanto maior o apego, menor as crenças no mérito.

Quem se valoriza e acredita ser merecedor não fica neuroticamente vigilante; “solta-se um pouco mais”, minimizando as preocupações e o medo de perdas, pois acredita que se aquilo que lhe pertence, se for, outro melhor virá. No tocante aos níveis mais simples que se referem às situações rotineiras que compõem o cotidiano, as pessoas que gostam de levar vantagem sobre os outros, tais como passar a frente dos outros numa fila, parar o carro em locais que impedem a passagem de outros carros ou em fila dupla, não tem bem definido, emocionalmente, qual o seu real espaço no ambiente em que vivem. Precisam extrapolar, para se sentirem com maior amplitude no meio em que atuam. Algumas pessoas são insensíveis àquelas que as cercam. São exclusivistas e desinteressadas pelo que acontece a sua volta. Só dão atenção quando o fato lhes desperta algum interesse. 

Não ampliar a visão de forma a não identificar as pessoas e os acontecimentos em torno de si, atuando como se tivesse usando um antolho (espécie de viseira que restringe o campo de visão, como nos cavalos) demonstra falta de habilidade de expressão, de respeito a si e, consequentemente, ao próximo. Além do mais, essa atitude conspira a favor do insucesso, evitando a obtenção dos resultados promissores.

Por: Gasparetto & Valcapelli

2 comentários :

  1. Muito interessante esse post!
    Gostaria de saber o que a Metafísica tem a dizer sobre pessoas que não respeitam o próximo. Ex: vizinhos que incomodam os outros com barulhos tarde da noite e ainda acham que tem direito de fazer isso. Pq atraímos pessoas assim para a nossa convivência?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karem!
      Na metafísica não existe vítimas, são apenas nossas energias encontrando ressonância lá fora. Se você se sente desrespeitada, talvez você está emitindo uma energia de desrespeito ao universo. Os acontecimentos apenas refletem um posicionamento interno seu. Daí cabe a você avaliar-se: será que você abre mão de suas vontades e desejos, em função dos outros? Será que você não coloca a sua vontade sempre em segundo plano para agradar alguém? Isso não deixa de ser um desrespeito, entende? E se você emite essa energia de desrespeito ao Universo, é dela que você terá de volta. Uma frase do Gasparetto que simplifica tudo: O mundo te trata como você se trata. Simples assim! Beijão!

      Excluir

Fico feliz com a sua companhia!
E fico mais feliz ainda quando você deixa um comentário!
Obrigada viu! :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...